Crie um site como este com o WordPress.com
Comece agora

PANDEMIA SPARS 2025-2028

Muitos já conhecem o Evento 201 ocorrido poucos meses antes de iniciarem a pandemia de Covid-19:

https://www.weforum.org/press/2019/10/live-simulation-exercise-to-prepare-public-and-private-leaders-for-pandemic-response

Mas poucos sabem sobre um ensaio semelhante, realizado no ano de 2017, com a simulação de uma pandemia de coronavírus chamado SPARS. As semelhanças com a pandemia de Covid-19 não são premonições ou coincidências.

“A narrativa do exercício pandêmico SPARS compreende um cenário futurista que ilustra dilemas de comunicação relativos a contramedidas médicas (MCMs) que poderiam surgir de forma plausível em um futuro não muito distante.

O cenário de exercícios autoguiados para comunicadores de saúde pública e pesquisadores de comunicação de risco cobre uma série de temas e dilemas associados em comunicações de risco, controle de rumores, coordenação e consistência de mensagens entre agências, gerenciamento de problemas, relações com a mídia proativas e reativas, competência cultural e questões éticas.” 

https://www.centerforhealthsecurity.org/our-work/Center-projects/completed-projects/spars-pandemic-scenario.html

Livro para download com o resultado da simulação:

https://jhsphcenterforhealthsecurity.s3.amazonaws.com/spars-pandemic-scenario.pdf

Abaixo resumo de um artigo acadêmico feito sobre a simulação:

A PADEMIA DE SPARS 2025-2028: UM CENÁRIO FUTURISTA

Data de conclusão: outubro de 2017

Outubro é o mês escolhido para o Evento 201, ocorrido em 2019.

*Contramedidas médicas (MCM) – ações de combate contra a disseminação de informação considerada falsa por governos e mídia oficial.

Uma equipe multidisciplinar participa da simulação que escolhe o período 2025-2028 para o cenário “hipotético”.

Spars.

Depois de uma grande consideração de possíveis situações de emergência que exigiriam o uso do MCM, a equipe do projeto decidiu estabelecer o enredo em torno de um coronavírus que causou uma doença leve e gripe na maioria dos casos, mas pneumonia e / ou hipóxia que exigem hospitalização e extenso tratamento médico em uma pequena minoria de casos. A equipe do projeto nomeou este patógeno fictício de coronavírus de” síndrome respiratória aguda de St. Paul”, ou spars, porque no cenário é identificado pela primeira vez em St. Paul, Minnesota.

(…) pedir às pessoas para ficar em casa se acharem que podem estar doentes (…). Em segundo lugar, a equipe do projeto decidiu tornar a morbidade e a mortalidade de spars significativamente maiores em crianças do que adultos, e entre mulheres grávidas e aquelas com condições respiratórias crônicas.

Timeline de eventos no cenário de pandemia 2025-2028

2025

Outubro

As primeiras mortes dos EUA ocorreram devido a spars. Inicialmente, essas mortes foram consideradas causadas pela gripe.

Novembro

Viagens de férias de Ação de Graças e Black Friday  facilitaram a disseminação de spars além do Centro-Oeste (26 estados e vários outros países em meados de dezembro).

Tweets falsos criados para a simulação:

“Pratique uma boa higiene durante suas viagens de ação de graças. Traga as sobras para casa, não SPARS.”
“Feliz dia de Ação de Graças! Esteja seguro na sexta-feira negra! Se você enfrentar as multidões, lave as mãos com frequência. Se você se sentir doente, compre no cybermonday.”

“Planos de viagem de férias? Pare o SPARS lavando as mãos e evitando locais públicos se sentir doente.”

Tweet verdadeiro durante a pandemia de Covid-19:

“Nesse Ação de Graças, fique em casa para melhor proteger a si mesmo e aos outros de covid-19. Evite multidões e faça compras online, use a coleta e entrega sem contato ou compre em mercados ao ar livre enquanto fica a pelo menos 2 metros de pessoas com quem você não mora.”

Dezembro

Nenhum tratamento ou vacina para os spars existia, mas havia algumas evidências de que o kalocivir antiviral poderia ser eficaz como terapêutico.

Uma vacina desenvolvida e fabricada por um Conglomerado multinacional de gado (GMI) foi proposta como uma base potencial para uma vacina humana. A vacina foi desenvolvida para combater um surto de um coronavirus respiratório similar em populações de mamíferos equinos no sudeste da Ásia, mas a vacina não havia sido licenciada por qualquer autoridade reguladora ou testada em humanos. Houve preocupações sobre os potenciais efeitos colaterais.

Em 2020 Donald Trump promoveu o medicamento Remdesivir, desenvolvido pela farmacêutica Gilead (pesquisar o significado desse nome), como tratamento eficaz contra o Covid-19. Esse medicamento é feito com células de fetos abortados. Sua administração é por via intravenosa.

2026

Janeiro

O governo dos EUA contratou o Cynbio para desenvolver e produzir uma vacina de spars humana com base na vacina animal GMI.

A secretária HHS invocou a Lei de Prontidão Pública e Preparação de Emergência (Ato de Prep) para fornecer proteção de responsabilidade para os fabricantes e provedores de vacina. Congresso autorizado e apropriado fundos de emergência sob o ato de preparação para fornecer compensação para potenciais efeitos colaterais adversos da vacina.

Isso também aconteceu com o Covid-19:

“O governo federal pagou um seguro internacional para cobrir eventuais efeitos adversos das vacinas da Pfizer e da Janssen. O valor para os dois imunizantes chega a R$ 10,3 milhões por meio da seguradora britânica Underwriting Management Limited.”

Após relatórios do sucesso limitado do Kalocivir no tratamento de pacientes com infecções severas de spars, a FDA emitiu uma autorização de uso de emergência (EUA) para o antiviral. O Kalocivir foi avaliado como terapêutico para SARS e MERS, e vários milhões de doses foram mantidos no SNS, o que poderia ser implantado conforme necessário, enquanto a capacidade de produção foi estabelecida para atender à demanda.

A FDA, CDC e NIH forneceram comunicações aparentemente conflitantes em relação à segurança e eficácia do kalocivir.

Fevereiro

Um vídeo de um garoto de 3 anos que vomitou e desmaiou depois de tomar uma dose de kalocivir rapidamente se espalhou por meio de mídia social, fortalecendo oposição nos EUA.

Os medicamentos do Reino Unido e agência reguladora dos produtos de saúde e da Agência Europeia de Medicamentos autorizaram conjuntamente o uso de emergência de um novo antiviral, Vmax, no Reino Unido e em toda a União Europeia. Alguns americanos tentaram obter acesso ao Vmax online ou viajando para a Europa

Abril

O CDC divulgou diminuição da taxa de fatalidade nos Estados Unidos; a percepção de menor risco desencadeou uma queda no interesse público.

Maio

Produção de Corovax, a vacina de spars produzida pela Cynbio, estava em andamento.

As agências federais iniciaram uma campanha de comunicação usando figuras públicas conhecidas com resultados mistos. A pesquisa indicou um aumento de 15 a 23% em spars e Kalocivir é conhecido em todo o país. O ícone de hip-hop Bzee teve sucesso promovendo mensagens de saúde pública com um videoclipe on-line, mas ele perdeu credibilidade quando comparou voluntários para ensaios corovax com “voluntários” do estudo de sífilis de Tuskegee.

As agências de saúde pública descobriram que uma plataforma de mídia social relativamente nova, UNEQL, estava sendo usada como um meio primário de comunicação.

Junho

A fim de priorizar a distribuição do suprimento corovax, o governo federal solicitou que os Estados relatem informações resumidas para registros eletrônicos de saúde do paciente (EHRs) para estimar o número de indivíduos em populações de alto risco. Esse esforço foi atendido com resistência do público, que protestou com o governo federal acessando suas informações médicas privadas.

2027

Fevereiro

Casos de pneumonia pós-spars enfatizaram inventários de antibióticos em todo o país. A secretária HHS autorizou a distribuição dos mais antigos antibióticos do SNS para complementar o fornecimento de antibióticos em todo o país.

Maio

Relatórios de efeitos colaterais do Corovax começaram a ganhar força. Vários pais de crianças que experimentaram sintomas neurológicos depois de receber a vacinação processam o governo federal e o Cynbio. A ação foi descartada quando souberam de fundos de compensação disponíveis através do Ato de Prep e ao Fundo Trust National Vaccine Lead Compensation.

Novembro

Em resposta à demanda pública pela compensação do efeito colateral de longo prazo, a secretária HHS convidou o Congresso para realizar uma investigação independente do processo de compensação federal para aliviar as preocupações de impropriedade.

2028

Agosto

A pandemia de spars foi oficialmente declarada encerrada; No entanto, os especialistas permanecem preocupados com os reservatórios domésticos e o potencial para futuros surtos.

“Tornando-se viral”

Os relatos de efeitos colaterais negativos associados ao Kalocivir começaram a ganhar força em fevereiro de 2026. Apesar da resposta negativa, as agências de saúde pública continuaram a avançar até 22 de fevereiro, quando um vídeo de um menino de 3 anos de idade, do North Carolina, vomitando imediatamente após ter tomado uma dose de kalocivir foi viral. No videoclipe, o menino engole uma dose pediátrica de kalocivir líquido, vomita profusamente, sufoca e depois desmaia enquanto sua mãe grita no fundo.

A FDA e outras agências governamentais tentaram lembrar ao público que não há correlação, esse vômito não é um efeito colateral conhecido do Kalocivir. Esta mensagem, enquanto cientificamente precisa, não tinha empatia apropriada e não conseguiu aliviar os medos do público. Como resultado, foi amplamente ignorada, e a preocupação pública continuou a crescer.

“Lesão vacina”

Com o passar do tempo mais pessoas nos Estados Unidos foram vacinadas, as reivindicações de efeitos colaterais adversos começaram a surgir. Vários pais alegam que seus filhos estavam experimentando sintomas neurológicos semelhantes aos observados entre os gados expostos à vacina GMI. Em maio de 2027, a ansiedade dos pais em torno desta alegação se intensificara ao ponto de ações judiciais. Aquele mês, um grupo de pais cujos filhos desenvolveram retardo mental como resultado da encefalite na esteira de vacinação corovax processou o governo federal, exigindo a remoção do escudo de responsabilidade que protege as empresas farmacêuticas responsáveis pelo desenvolvimento e fabricação de Corovax.

Em 2009 tivemos a “pandemia” da gripe A /H1N1:

Não existe COVID-19:

https://odysee.com/@alinecristina:9/reiner-fuellmich-entrevista-dr-david-martin:1

Publicado por amellocristina

Arquiteta e Urbanista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: