Crie um site como este com o WordPress.com
Comece agora

Velhice é doença

https://www.camara.leg.br/noticias/786247-debatedores-pedem-retirada-do-termo-velhice-da-classificacao-internacional-de-doencas/

É no primeiro dia de vida que um ser humano inicia seu processo de envelhecimento. Se a velhice é uma doença, então toda a humanidade está doente?

Não é o mesmo que foi feito durante a pandemia de Covid?

Todos foram tratados como doentes, e ser doente agora é crime!

Estar doente é motivo para cárcere privado, inclusive daqueles que não estão doentes, mas podem estar.

Estar doente é motivo para ser tratado como um assassino ou terrorista, inclusive aqueles que não estão doentes, mas podem estar. Parece que “os não doentes mas podem estar” são mais perigosos do que aqueles realmente doentes.

Os não doentes, que não possuem sintomas, precisam ser testados o tempo todo para provar que não estão doentes. O teste pode dar positivo mesmo quando a pessoa está completamente saudável. Se o teste diz que a pessoa tem uma coisa, que não lhe faz mal algum, ela precisa fazer quarentena, ou seja, a sua prisão é preventiva, pois pode evitar que essa pessoa saudável mate outras, ainda que não tenha nada para transmitir à elas.

A pessoa saudável só pode sair às ruas usando uma proteção, não para ela, que continua totalmente desprotegida de um vírus mortal e altamente contagioso, mas para os outros indivíduos que irão cruzar com ela. A proteção é para que o usuário contenha seu poder mortífero, é para evitar que outros morram – agora todos são assassinos.

Assim cria-se uma pandemia de contágios, não de doentes, pois todos são portadores assintomáticos de um vírus mortal. É um vírus tão maligno que nem precisa existir para matar e contagiar, basta a força do pensamento ou da mídia.

Logo a velhice também será uma pandemia, pois todos nós envelhecemos um pouco a cada segundo de vida que passa e, portanto, somos todos doentes de acordo com a classificação da OMS.

Se há doença é preciso haver testes, tratamentos, regras de comportamento para lidar de forma “segura” com a situação.

Será a velhice uma doença contagiosa ou uma condição à existência humana?

Adoecer é crime ou uma condição de nossa existência?

Morrer é ruim ou uma condição para a existência da espécie humana?

Quando há um plano de substituição de tudo o que é biológico pelo artificial não há lugar para um idoso no processo. Para transformar o ser humano em transgênico é preciso afetar as gerações mais jovens, que possuem organismo mais resistente ao potencial agressivo da terapia gênica aplicada (vacinas). Os jovens poderão transmitir – os poucos que conseguirem – à próxima geração essas mudanças, facilitando o avanço das novas terapias gênicas que serão aplicadas nessa nova linhagem de seres transgênicos. Um idoso não tem mais condições orgânicas e tempo para adaptar-se às mudanças genéticas e sociais da nova humanidade. Os idosos serão descartados por sua inutilidade à execução do plano, e por representarem algo que será cada vez mais visto com repugnância e terror pela nova sociedade – a morte.

Vimos com a pandemia de covid o medo irracional da morte e o poder que ele exerce sobre as pessoas.

A condição que facilitará a adesão da humanidade à sua transformação física, psicológica e genética, será a promessa de vida eterna. A humanidade será cada vez mais amedrontada pela morte e doenças, ao mesmo tempo em que será seduzida com a promessa da imortalidade, do fim da dor e sofrimento, do envelhecimento.

O fanatismo pela busca do corpo perfeito e da eterna juventude se oporá à velhice, às doenças e à morte, tanto quanto os vacinados se oporão aos não-vacinados.

Vi nessa pandemia a imbecilidade dos idosos desesperados com a idéia da morte. A juventude foi condenada, supostamente, pela preservação dos velhos. Para que os velhos não morressem os jovens perderam seus empregos, sua liberdade, seus direitos humanos básicos. Para que os idosos fossem poupados do contágio toda a humanidade submeteu-se a um experimento eugênico em escala global.

Os velhos irão descobrir que a morte é a única certeza que podem ter em suas vidas, e não escaparão dela. Com medo de uma gripe foram confinados em asilos e impedidos de receberem visitas. Muitos foram “diagnosticados” com o vírus, isolados em quartos e deixados à própria sorte, sem cuidados, alimentação, esmurrando as portas em busca de socorro, foram esquecidos sem auxílio algum. Outros foram vacinados contra sua vontade e morreram poucos dias depois. Um procedimento agressivo e inadequado, aplicado por “profissionais”, matou muitos outros, como já foi revelado na Itália. Tantos outros morreram em suas casas, sozinhos e em desespero.

 – “Eles têm medo de morrer”! – Disse, rindo, um colega de trabalho ao meu marido.

Sim, eles “morrem” de medo. Mas eles vão morrer, apenas esqueceram-se disso. Esqueceram-se porque foram iludidos pela mídia com notícias sobre o quanto os governos preocupam-se com eles, fazendo campanhas anuais de vacinação contra a gripe, ou pelos cientistas “bonzinhos” que estão sempre inventando medicamentos novos e mais modernos, terapias que irão garantir maior expectativa de vida, por estatísticas que mostram como a sociedade está vivendo mais e melhor.

Os que sobreviveram, até o momento, continuam agindo estupidamente, passam os dias com um restritor de oxigênio que apertam no rosto sempre que avistam outro ser humano aproximando-se. Recentemente uma senhora estava na porta de sua casa dando comida às pombas, quando me viu aproximando-se sem máscara entrou e bateu a porta, pensando talvez que o vírus não saiba tocar a campainha. Uma criatura que prefere alimentar um animal sujo e transmissor de doenças na porta de casa, mas teme outro ser humano, já morreu faz tempo.

O futuro do Homem é o transhumanismo, não haverá raça, gênero, idade, não haverá dor nem morte. A nova criatura não terá família, amigos, amores, não sentirá o sabor da comida, que será feita em laboratório, não sentirá medo de gripes e resfriados, não será humana. Não hverá lugar para os velhos nesse mundo, não haverá lugar para os não-vacinados ou para qualquer ser humano como conhecemos hoje.

https://odysee.com/@JorgeGuerra:4/midazolar:ahttps://odysee.com/@JorgeGuerra:4/midazolar:a

Publicado por amellocristina

Arquiteta e Urbanista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: